terça-feira, 12 de setembro de 2017

Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora
Departamento de Gastronomia
História da Alimentação 
Professora: Marianna de Alencar e Souza
Aluno: Igor Guedes de Carvalho

O presente trabalho norteia-se pela descrição de um cardápio inspirado no poema de Olavo Bilac O Julgamento de Frinéia. Os ingredientes estarão restritos ao recorte cronológico que contempla do surgimento das primeiras cidades na Mesopotâmia no terceiro milênio a.C. encerrado-se no ano de 146 a.C. com a anexação da Península Grega pelo Império Romano.

Entrada

De acordo com Câmara Cascudo o pão constitui o alimento mais básico,cotidiano, trivial e prosaico. "Significa o sustento, alimentação cotidiana, normal, clássica." (CASCUDO, Câmara. História da Alimentação no Brasil. São Paulo: Global, 2004. p. 25). Assim revela-se nossa personagem no início de se julgamento: um fascínio ainda velado, subestimado e sem o vigor de sua plenitude.

Da região do Antigo Império Persa, apresenta-se como entrada o mais prosaico dos alimentos: pão sírio acompanhado pelo antepasto hommus tahine:


  • Duas colheres de Tahine
  • 400 gramas de grão de bico cozido
  • Suco de dois limões
  • 1 dente de Alho
  • Azeite
Bate-se todos os ingredientes no liquidificador até alcançar uma consistência de purê. Serve-se com pão sírio.

Prato Principal


Frinéia encantou de seus algozes magistrados ao poeta brasileiro Olavo Bilac. Com a queda do véu inicia-se o encanto pela carne. Para seduzir os sentidos dos comensais pela carne apresenta-se: Peito Pato ao molho de romã sobre ninho de aspargos


  • Peito de Pato com a pele
  • Sal e pimenta a gosto.
  • Carne de pato ao ponto para mal passada
  • Alho e Cebola
  • Caldo de carne
  • Grãos de Romã
  • Aspargos
Corta-se a pele do pato

Sobremesa

A beleza de Frinéia sela seu destino. O veredito não poderia ser outro além da inocência. O conceito de belo evoca tudo aquilo que é bom no imaginário dos magistrados helênicos. Propõe-se como sobremesa taças com tâmaras, nozes, pêssego e mel.